terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Sesa alerta profissionais sobre risco de febre amarela; CE não registra a doença há 17 anos

Apesar de não registrar casos de febre amarela há, no mínimo, 17 anos, o Ceará já se mantém alerta quanto ao risco de ocorrências da doença voltarem a surgir no Estado, tendo em vista que algumas regiões do Brasil, como São Paulo e Minas Gerais, já estão com diversos casos confirmados, inclusive com mortes. Na tarde desta segunda-feira (23), a Secretaria da Saúde (Sesa-CE) emitiu uma nota técnica pedindo que os profissionais da área se mantenham sensíveis na identificação precoce de casos suspeitos da doença.
A nota emitida pela Sesa-CE, por meio da Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde (Coprom) e da Vigilância Epidemiológica do Ceará, também pede para que qualquer caso suspeito da doença seja imediatamente notificado às autoridades sanitárias. A Secretaria reforça, no entanto, que, até o momento, não há nenhum caso suspeito de febre amarela no Ceará.

"A doença é de notificação compulsória e imediata, portanto todo caso suspeito deve ser prontamente comunicado por telefone, fax ou e-mail às autoridades sanitárias, por se tratar de doença grave com risco de dispersão para outras áreas do território nacional e mesmo internacional", destaca a nota da Secretaria da Saúde do Estado.
Até o momento, foram registrados 272 casos suspeitos de febre amarela em 38 municípios do Nordeste de Minas Gerais, segundo o Ministério da Saúde. Já são 71 mortes suspeitas e 25 confirmadas.

(Áquila Leite/D.N)

Nenhum comentário:

Postar um comentário