quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

"Se Flávio errou, vai ter de pagar", diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta quarta-feira (23) em entrevista à agência Bloomberg que eventuais irregularidades cometidas por seu filho, o senador eleito Flávio Bolsonaro, terão de ser punidas. "Se por acaso ele errou e isso for provado, lamento como pai, mas ele terá de pagar o preço por esses atos que não podemos aceitar", afirmou.
O Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) considerou suspeitos 48 depósitos em dinheiro na conta do deputado estadual e atual senador eleito. Os depósitos, sempre no valor de R$ 2.000, totalizando R$ 96 mil, foram feitos entre junho e julho de 2017 no autoatendimento da agência bancária que fica dentro da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio).
O órgão de combate à lavagem de dinheiro também identificou movimentação atípica na conta de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio e amigo da família. Queiroz recebeu, por exemplo, transferências de outros funcionários do gabinete de Flávio e deu um cheque de R$ 24 mil à primeira-dama Michelle Bolsonaro.
Na terça (22), uma operação deflagrada pelo Ministério Público para prender suspeitos de chefiar milícias no Rio de Janeiro agravou a situação de Flávio. O deputado empregava como assessoras em seu gabinete, até novembro do ano passado, a mãe e a mulher do ex-capitão da PM Adriano Magalhães da Nóbrega, 42, suspeito de comandar milícias que atuam na zona oeste.
Bolsonaro deu entrevista ainda a Lally Weymouth, editora-associada sênior do jornal Washington Post, antes de cumprir a agenda oficial do Fórum Econômico Mundial. O material deve ser publicado na sexta-feira (25).
Nesta tarde, Bolsonaro tem reuniões com os primeiros-ministros da Itália,Giuseppe Conti, e do Japão, Shinzo Abe, e com o presidente da Suíça, Ueli Mauer, antes de um diálogo diplomático e de um jantar em torno da América Latina.

Via Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário