terça-feira, 27 de agosto de 2019

Golpe do WhatsApp: ação do MP de improbidade administrativa pode atingir o governo Mônica Aguiar

Em dezembro do ano passado veio a luz um boletim de ocorrência narrado na Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), em Fortaleza notificando o golpe aplicado nos cofres da Prefeitura de Camocim a partir da ação de estelionatários que teriam clonado os telefones da Prefeita do município Mônica Aguiar e seu ex-tesoureiro Felipe Veras. Oito meses após o crime, o Ministério Público Estadual, através da Promotoria de Justiça de Camocim prepara denuncia formal à justiça. 

Se passando pela gestora do município, criminosos conseguiram, em contato com o programador financeiro, Felipe Veras, o repasse financeiro por meio de transação bancária no valor de R$ 552 mil para os golpistas.  

A investigação pelo MP Estadual, na comarca local, apurou elementos suficientes que evidenciam o crime de improbidade administrativa, por fugir de normas padrões de repasse de verba pública, considerando a conduta da Prefeita de Camocim em hipótese de crime dada a prerrogativa de sua função. 

Após o golpe que lesou os cofres públicos, Felipe Veras foi afastado das funções de programador financeiro do município de Camocim. 

Ainda segundo informações do Ministério Público, o procedimento está em processo de finalização para posterior apresentação a justiça. 

André Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário